Home » » Voyeurismo #1: Motel do Espiador

Voyeurismo #1: Motel do Espiador

Hoje vou contar o começo de toda a minha história como Voyeur, então, sente-se, que lá vem a longa história.
Tudo começou quando fui fazer uma sessão de fotos em Sorocaba, íamos fotografar num estúdio que precisava de fotógrafos free lancers por causa de um concurso de modelos mirins. Lá, conheci um cara meio tímido, bastante quieto e na dele, chamado Rodrigo.
Rodrigo era um cara legal, chegou a me ensinar muita coisa sobre fotografia, alias, o que eu não aprendi nos cursos e nas viagens que fiz, foi ele quem me ensinou. Quando terminamos o trabalho, disse para ele que voltaria para Sorocaba para sairmos, ir pra uma balada ou um barzinho, mas ele virou para mim e disse: 
_Ixi cara, não sou daqui, sou de Campinas. 

Me espantei, ele conhecia tão bem Sorocaba que desde que o tinha conhecido, achei que morava ali.
_Poxa meu caro, tenho amigos em Campinas, qualquer hora vou pra lá.
E então ele me veio com a idéia:
_Você sabe o que é voyeurismo, Edgar?

É claro que eu já tinha ouvido falar, eu devia ter meus 24~25 anos na época, mas nunca havia sido um voyeur de verdade:
_Sim, já ouvi falar sim Rodrigo, porque?
Ele sorriu para mim e se aproximou:
_Então precisamos conversar.

Fomos até um restaurante, fiz questão de pagar o almoço dele até que ele me contasse que história era aquela de voyeurismo. Enquanto esperávamos nosso prato, ele foi me contando:
_Então Edgar, eu sou de Campinas, mas gosto de trabalhar aqui em Sorocaba. Se você gosta de ser um voyeur, aqui é o seu lugar. Por isso que eu alugo uma kitnet aqui, mais moro aqui do que em Campinas, minha casa. 

Comecei a ficar mesmo muito interessado. Rodrigo estava empolgado me contando sobre tudo aquilo, e eu também comecei a ficar super empolgado:
_Me conta mais Rodrigo, que história é essa?
E ele me contou:
_Edgar, aqui em Sorocaba, tem um Motel chamado 5 estrelas (fictício), mas algumas poucas pessoas, de um grupo fechado, no qual eu faço parte, conhece esse motel como "Motel Espiador". É assim, enquanto tem clientes, casais chegando nos quartos, nós, desse grupo, ficamos esperando numa salinha reservada, nos fundos do motel. Quando um casal entra no quarto, um de nós é chamado pra ir assistir a foda do casal.

Enquanto ele contava, eu não podia acreditar que tudo aquilo era verdade. Fiquei boquiaberto.

_Edgar, todos os quartos tem espelhos enormes, mas, atras desses espelhos, tem uma outra sala, minuscula, de 3x3, que só cabe uma cadeira, que é onde a gente fica. um por vez, espionando o quarto. Você, assim como o casal, paga pra entrar no quarto, você pode ficar lá o tempo que quiser, desde o momento em que o casal entra,até o momento em que o casal sai. E tudo que você fizer nesse quartinho, ninguém vai ver. Afinal, é você que vai estar vendo o que os outros fazem. 

Fiquei tremendamente curioso, pedi pro Rodrigo me levar nesse motel o quanto antes. Almoçamos e fomos para a sua kitnet, a casa do menino era bem arrumada, jeitosinha. Ele tomou um banho e então me levou até o lugar. Era um motel enorme, todo azul escuro e bem discreto. Vidro fumê para entrar. Fomos com o carro do Rodrigo, chegando na portaria, ele falou:
_Vim pro clube vip. 
E eu ouvi alguém respondeu:
_Beleza Rodrigo, é só aguardar.

Ele entrou com o carro e o estacionou na parte de trás do Motel, longe dos quartos, ali naquele lugar, já haviam dois outros carros. Descemos do carro e entramos numa sala, aconchegante, com três sofás grandes, algumas revistas playboys para ser lida, e uma televisão. Na sala havia um casal, uma mulher loira e um homem de bigode. Rodrigo os cumprimentou, parecia que se conheciam.
_Olá João, tudo bom? Oi Marta, tudo bom?
Ambos cumprimentaram Rodrigo.
_Este aqui é meu amigo, Edgar, ele vai estrear hoje aqui na espionagem.
_Seja bem vindo Edgar.

Logo entendi. Aquele estacionamento atras do motel, e aquela salinha de espera, era só pro pessoal do "clube vip", ou melhor dizendo, pros Voyeures. 
Peguei uma playboy para ler, e Rodrigo ficou ali vendo TV. 
Uma moça com uniforme do motel chegou na porta da salinha aconchegante e chamou:
_Acabou de chegar um casal, vão pro quarto 7.

João e Marta se levantaram, se despediram de Rodrigo e de mim e seguiram a funcionária. Eu fui até a porta pelo qual eles entraram, e então eu entendi tudo. Cada quarto do motel, tinha uma porta que dava acesso a outra sala, que fica através do espelho, onde apenas os voyeures ficam. 
Comecei a ficar excitado, me sentei novamente, e logo em seguida a mesma funcionária bateu na porta:
_Oi, Rodrigo? Chegou um casal no quarto 8. Vocês vão ir juntos? 

Olhei para o Rodrigo, ele olhou para mim e disse que sim. 
_Vamos ficar juntos Edgar, só pra você ver como é, ok?
Concordei. 

Começamos a seguir a funcionária através do corredor que seguia. Chegamos a porta 8 e entramos. Apenas uma cadeira, e logo em seguida a funcionária trouxe outra cadeira para eu sentar. Ficamos eu e o Rodrigo ali, sentados, olhando para um enorme vidro e a funcionaria ao nosso lado esperando o casal chegar no quarto. 
Do outro lado do vidro, um casal entrou no quarto. Olharam ao redor, acenderam as luzes e trancaram a porta. 

A garota era jovem, cabelo loiro e com lábios deliciosos, o cara usava uma camisa polo, cabelo penteadinho. Foi tirando o relógio e depois tirou a camisa. A funcionária do motel que ainda estava ali disse:
_Então Edgar, aqui costumamos permitir que vocês façam o que quiserem aqui nesse quarto, portanto que usem camisinha, até mesmo pra masturbação. Aqui tem lenços. 

Ela me entregou uma caixinha de lenços, e Rodrigo me esticou uma camisinha, enquanto ele abria outra. A funcionária saiu do quartinho. E ficou apenas eu, Rodrigo e o casal do outro lado do vidro. A salinha em que estávamos, era um pouco maior do que a descrição do Rodrigo. Devia ser uns 3x5 e totalmente escura. A unica iluminação que tínhamos era do quarto do casal. Olhei para o lado do Rodrigo e ele estava com as calças arriadas e colocando a camisinha. Ele ia se masturbar ali, do meu lado. 
Comecei a pensar no casal que estavam no quarto 7, o João e a Marta, e pensando se talvez estivessem fodendo assistindo outro casal fodendo. 


Abaixei minhas calças e já estava teso. Fiquei assistindo o casal, o cara ficou totalmente nú, enquanto a menina tira apenas tirado a camisa e a calça, logo já estava caindo de boca nele, deitado na cama e com pau ereto. Ela passava a língua no pau dele e ria. Eles conversavam sobre alguma coisa aleatória, e então ela caia de boca de novo. O cara começou a gemer enquanto ela passava a língua pela borda do pau dele. 

"Você gosta assim, amor?" Ela perguntava para ele, e ele só ficava no "aham, aham, assim". E ela ia perguntando de novo: "E assim, amor?", e ele gemia de prazer.




Ela ficou de joelhos na cama e tirou o sutia. Ela estava de frente para nós. A cabeceira da cama ficava bem próximo ao espelho, obviamente, o casal vai foder deitado daquele lado, então, tínhamos uma visão muito privilegiada. 

A garota tinha um par de seios enormes, começou a chupar o pau do namorado e passou a gemer ainda mais. Ela ia chupando ele, movendo todo o corpo, e esfregando o seios enormes no corpo dele. Ele ia gemendo ainda mais. Olhei para o Rodrigo e ele ainda estava se masturbando:
_Tá gostando Edgar? Ele sussurrou. Disse que sim.

Meu pau ja estava com a camisinha, e eu fui me masturbando bem de leve.


A garota se levantou, o seu namorado começou a chupar os seus seios enormes. Esfregando o seios no rosto, e ela só rindo, adorando. E então ele se deitou novamente, ela ainda com a calcinha. Colocou a calcinha de lado e começou a rebolar em cima do pau dele, enfiando o pau dele dentro da buceta bem devagarinho. 



Foi mexendo com o quadril bem de leve, e o rapaz gemendo. Agora conseguíamos ouvir os gemidos de ambos bem alto. Mas algo estava me incomodando, enquanto eu me masturbava, podia notar claramente Rodrigo batendo a sua punheta do lado. Até que ele gozou. 
Eu continuei me masturbando, vendo aquela gostosa gemendo e rebolando em cima do pau do namorado. 


Ela ergueu a cabeça e continuou gemendo. O cara agarrou seus seios enormes e ficou os apertando. A garota doida estava delirando ainda mais com os apertões, e então começou a perguntar de novo:


_Esta bom assim amor? E assim?


E o cara só gemendo, só a fodendo gostoso. 


A mocinha começou a ficar mais ousada e começou a pular no pau do namorado, e ele só gemendo, só enlouquecendo, e os rugidos da cama só aumentando. 


Até que ele ficou prestes a se gozar, obviamente e pediu pra ela parar, mandou ela ficar de ladinho. Antes de ficar de ladinho, ela tirou a calcinha. Ele fico atras dela e começou a bombar. Olhei para o Rodrigo e ele já estava com a segunda camisinha, se masturbando novamente. Eu dei uma segurada no pau, não queria gozar agora. 


O namorado começou a foder a menina de ladinho. Aquilo foi me dando uma excitação enorme, os gemidos dela eram altos, e ela começou a pedir por mais:
_Fode mais, fode assim... você esta gostando amor? Esta gostando?
E ele só gemendo, ele nem respondia mais a namorada. 

Eu comecei a me masturbar novamente, estava quase gozando, quando ele parou de fode-la:


_Quero comer você de quatro (falou o nome dela).


Ela ficou de quatro com o maior animo possível, ele ficou atras dela e começou a fodê-la como nunca. Fodeu ela com força e com gosto. Eu voltei a me masturbar, ouvi Rodrigo gemendo do meu lado, havia gozado de novo. O namorado da moça disse que ia gozar, e ela passou a gemer ainda mais. Eu não aguentei, gemi e gozei. 

O cara se deitou do lado da namorada, e ela o beijou. Se levantou e foi pro banho.

Rodrigo vestiu as calças, eu o acompanhei. Ali naquele quartinho, havia uma placa "FAÇA SILÊNCIO", então não falei nada. Quando saimos e voltamos para a salinha de espera, Rodrigo começou a falar:
_Você viu ele fodendo ela de ladinho? Caralho, eu amo Sorocaba.

Foi aí que entendi o que tínhamos acabado de fazer. Muito melhor que filmes pornôs, é ver ao vivo, um casal fodendo, no total  amadorismo, sem saber que estão sendo observados. Ali na salinha de espera vimos também João e Marta saindo e entrando em seus carros. Rodrigo pagou a funcionária que nos esperava, eu também dei o dinheiro (um quarto do motel custa seus 70 reais, para assistir o casal fodendo, foi 100 reais). Mas pagamos por um luxo que vale a pena. 

Foi assim que conheci Rodrigo, o mestre do Voyeur, e assim que comecei a ser um espião de fodas amadoras. 
 
Support : Copyright © 2015. PUTAS ESPERANDO O COMEDOR - All Rights Reserved